bandhas

bandha é uma contração sustentada por um grupo de músculos que auxilia o praticante na manutenção da postura.

múla bandha é a técnica de elevação do assoalho pélvico, para isso, contrai-se primeiramente a musculatura dos esfíncteres do ânus e da vagina/uretra. Depois, eleva-se verticalmente o assoalho pélvico. Esta contração deve ser acompanhada pelo recolhimento dos músculos do baixo-ventre e dos glúteos (auxiliando no fortalecimento e proteção da lombar). A técnica deve ser utilizada durante as posturas e em alguns exercícios para expansão da respiração, com ou sem retenção. Existe uma variação, da qual se alterna as contrações dos esfíncteres anais/ uretrais com o relaxamento dos mesmos (indicada para iniciantes).

o efeito desta prática é o aumento da irrigação sanguinea na região pélvica, estimulando o metabolismo dos orgãos internos. Em algumas posturas, facilita o alinhamento da coluna vertebral com a pélvis.

o nome múla bandha vem da observação que alguns yogues constataram ao ver a semelhança do movimento de uma égua ao urinar.

uddiyanna bandha: para a execução dos asanas (posturas físicas) é muito importante a manutenção deste bandha. Nesse caso, a contração se concentra na área do baixo ventre, dois dedos abaixo do umbigo. É feita de forma suave durante a inspiração e exalação (deixando o diafragma livre para fazer o seu movimento natural). Durante a execução do bandha, a caixa torácica é expandida tornando a respiração profunda e tonificando o núcleo da musculatura abdominal e costal. A contração deve ser enfatizada na inspiração para ajudar na expansão do tórax, simultaneamente à contração dos esfíncteres (mula bandha) que deve ser acentuada na exalação.

algumas linhas de hatha yoga, consideram a prática de mula bandha, além da contração dos esfíncteres, o recolhimento do baixo ventre. Outras, preferem distinguir um do outro, chamando de mula bandha apenas as contrações dos esfíncteres inferiores e de uddiyanna bandha, a contração do baixo ventre.

entenda sobre o assoalho pélvico: formado por 13 músculos, conhecidos em conjunto como musculatura do assoalho pélvico (MAP), auxiliados por fáscias e ligamentos (que funcionam como elásticos biológicos). A função deste conjunto é sustentar os órgãos pélvicos, como uma cama elástica sustenta o peso de alguém que pula sobre ela. A MAP, origina-se no osso púbico (localizado na região baixa do abdômen) e nas paredes laterais dos ossos da bacia e se dirigem para o cóccix (um osso localizado na fenda que separa as nádegas).

com a contração dos esfíncteres inferiores, baixo vente e glúteos, a MAP é elevada suspendendo os órgãos pélvicos, mantendo-os em suas posições normais e evitando que os ligamentos (que amarram esses órgãos aos ossos, como cordas ) sejam sobrecarregados ou lesionados. Com o tempo e a prática o aluno, deve tentar executar a dinâmica somente com a elevação do assoalho pélvico (múla bandha original). Com a MAP sádia, evita-se o prolapso urogenital (deslocamento inferior dos órgãos pélvicos da sua posição anatómica normal).

e períneo? é a região do corpo humano que começa, para as mulheres na parte de baixo da vulva e estende-se até o ânus. No homem, localiza-se entre o saco escrotal e o ânus.

alguns yogues e yoguinis, refinam ainda mais a prática e definem que a ativação de múla bandha, no homem é a área entre o ânus e o ínicio da bolsa escrotal. Na mulher, um músculo chamado cérvix (colo do útero).

mula_bandha

mula bandha

para fazer o jalandhara bandha, eleve a coluna, deixando-a reta e alongada. A cabeça desce um pouco à frente, o pescoço se alonga e o queixo encontra a base da garganta. Utiliza-se a técnica em alguns exercícios para expansão da respiração e em algumas (raras) posturas.

com a pressão sobre o seio carotídeo os receptores de pressão (baroceptores carotídeos) “percebem” o grau de estiramento das paredes arteriais, detectando se estão estiradas ou relaxadas e informando o aumento ou diminuição deste calibre das artérias ao sistema nervoso central (snc). Quando os baroceptores mandam uma informação para o snc de que o calibre de certa artéria está diminuído, esse percebe um aumento dos níveis de pressão arterial, tentando de alguma forma regulá-los.

no snc essa interpretação é feita pelo centro cárdio motor (ccm) que regula a pressão arterial. Quando o ccm estimula o sistema nervoso parassimpático, faz este liberar acetilcolina que se liga aos receptores das artérias fazendo com que ocorra um relaxamento da musculatura lisa, havendo uma vasodilatação, diminuindo a pressão arterial. A acetilcolina também se liga aos receptores do coração fazendo com que abaixe a freqüência cardíaca (bradicardia). Como conseqüência diminui o débito cardíaco, diminuindo o volume sangüíneo e também a pressão arterial. (doutor Fábio Caporrino)

jalandhara bandha

jalandhara bandha

uddiyana bandha kriyá – aqui falamos de um bandha que não é executado durante as posturas. É considerado um processo de limpeza interna. É a técnica onde diafragma e o baixo ventre são elevados. Quando exalar contraia o abdômen. No final da exalação o abdômen deve estar totalmente contraído para cima em direção a coluna. Com essa técnica o diafragma se eleva. Quando se mantém esse bandha, o umbigo se move em direção a espinha e os músculos retos e posteriores se contraem, fazendo todo o abdômen ficar côncavo. Para começar, é aconselhavél fazê-lo de pé, com as pernas separadas dois palmos e dois pés paralelos. As mãos se apoiam no alto das coxas, com os dedos voltados para dentro e os braços um pouco flexionados. O estômago e o intestino devem estar vazios. Inpire, exale todo o ar e recolha a barriga de forma que a musculatura abdominal fica colada na das costas.

o uddiyanna bandha estimula os músculos cardiácos, tonifica os orgãos abdominais, favorece o peristaltismo, normaliza a secreção do suco gástrico, elimina toxinas e disfunções dos aparelhos digestivo e excretor: gastrite, dispepsia, constipação intestinal e distúrbios bilíares.

há uma outra forma de realizar o bandha, imprimindo um movimento vertical ondulante à parede abdominal chamada de rajas uddiyana bandha. Com a parede abdominal estática é chamada de tamas.

tamas uddiyana bandha

tamas uddiyana bandha

jiva bandha é a compressão da língua contra o céu da boca, na parte macia, atrás. Produz estimulação por massageamento na pineal, via propagação da pressão intracraniana. Pode-se ser executado na maioria dos asanas.

jiva bandha ou kechari mudra

jiva bandha ou kechari mudra

pada bandha ou hasta bandha é na verdade um termo usado entre instrutores de yoga, não são considerados bandhas clássicos. Pada (pé), hasta (mão). Significa manter as mãos e os pés firmes no chão para melhor execução dos asanas.

(fontes: yoga pró, ekadanta yogashala, fisioterapia em foco, draúzio varella, períneo.net, yoga prático – pedro kupfer)

WhatsApp Personal YogaEnvie um WhatsApp agora!